É possível que o agente de trânsito lavre multa de um veículo por excesso de velocidade na hipótese em que ultrapassar o veículo da fiscalização que já se encontra no limite de velocidade da via?

por | 1 maio 2020 | Atividade Policial

Compartilhe!

O Código de Trânsito Brasileiro dispõe que a infração de trânsito deverá “ser comprovada por declaração da autoridade ou do agente da autoridade de trânsito, por aparelho eletrônico ou por equipamento audiovisual, reações químicas ou qualquer outro meio tecnologicamente disponível, previamente regulamentado pelo CONTRAN” (art. 280, § 2º).

A Resolução n. 396/2011 do CONTRAN dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de Trânsito Brasileiro.

O art. 1º da Resolução n. 396/2011 apresenta as formas autorizadas para a medição da velocidade dos veículos automotores e estão previstos os seguintes tipos:

Art. 1º A medição das velocidades desenvolvidas pelos veículos automotores, elétricos, reboques e semirreboques nas vias públicas deve ser efetuada por meio de instrumento ou equipamento que registre ou indique a velocidade medida, com ou sem dispositivo registrador de imagem dos seguintes tipos:

I – Fixo: medidor de velocidade com registro de imagens instalado em local definido e em caráter permanente;

II – Estático: medidor de velocidade com registro de imagens instalado em veículo parado ou em suporte apropriado;

III – Móvel: medidor de velocidade instalado em veículo em movimento, procedendo a medição ao longo da via;

IV – Portátil: medidor de velocidade direcionado manualmente para o veículo alvo. (destaquei)

Nota-se que é possível a utilização de um medidor de velocidade móvel.

O medidor do tipo móvel é um equipamento próprio, instalado em um veículo em movimento, que possui a finalidade específica de aferir a velocidade de outro veículo.

Nota-se que o velocímetro de um veículo não consta como um instrumento hábil para a constatação da velocidade de um outro carro, por mais que seja possível saber que este outro veículo esteja em velocidade superior à permitida para a via.

É até possível que o excesso de velocidade seja aferido por um veículo em movimento, desde que haja um medidor de velocidade aprovado pelo INMETRO, na viatura, e seja em vias rurais ou vias urbanas de trânsito rápido com a sinalização de velocidade máxima permitida e onde não ocorra variação de velocidade em trechos menores que 5 (cinco) km (arts. 3º e 6º, § 1º da Resolução n. 396/2011).

Portanto, caso um automóvel ultrapasse uma viatura policial ou um veículo de fiscalização que já encontra-se no limite de velocidade da via ou na hipótese em que uma viatura perseguir um carro que exceda o limite de velocidade da via, não será possível a lavratura de auto de infração de trânsito por excesso de velocidade, sem prejuízo de que sejam lavradas outras multas, como dirigir sem os cuidados indispensáveis à segurança (art. 169 do CTB), conforme o caso.

Nesse sentido, a justiça anulou uma multa lavrada pela polícia que perseguia um veículo que excedeu a velocidade, mas o parâmetro para constatar o excesso de velocidade foi o velocímetro da viatura, o que não é permitido.

APELAÇÃO CÍVEL. INFRAÇÃO DE TRÂNSITO. EXCESSO DE VELOCIDADE. AFERIÇÃO DA VELOCIDADE POR MEIO DO VELOCÍMETRO DA VIATURA POLICIAL EM PERSEGUIÇÃO AO VEÍCULO DO SUPOSTO INFRATOR. IMPOSSIBILIDADE.

A aferição de excesso de velocidade por meio da velocidade verificada no velocímetro da viatura policial em perseguição ao veículo do suposto infrator não é forma hábil prevista no art. 280, § 2º do CTB e na Resolução nº 146/2003 do CONTRAN, para a fiscalização da velocidade de veículos automotores.

(TRF-4 – AC: 1060 RS 2002.71.02.001060-7, Relator: MARIA LÚCIA LUZ LEIRIA, Data de Julgamento: 11/09/2007, TERCEIRA TURMA, Data de Publicação: D.E. 03/10/2007)

Sobre o autor

Rodrigo Foureaux é Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás. Foi Juiz de Direito do TJPA e do TJPB. Aprovado para Juiz de Direito do TJAL. Oficial da Reserva Não Remunerada da PMMG. Membro da academia de Letras João Guimarães Rosa. Bacharel em Direito pelo Centro Universitário Newton Paiva e em Ciências Militares com Ênfase em Defesa Social pela Academia de Polícia Militar de Minas Gerais. Mestre em Direito, Justiça e Desenvolvimento pelo Instituto de Direito Público. Especialista em Direito Público pela Universidade Cândido Mendes. Autor de livros jurídicos. Foi Professor na Academia de Polícia Militar de Minas Gerais. Palestrante. Fundador do site “Atividade Policial”.

Fale com o autor

Instagram

Facebook

Mais lidas

  1. A perturbação do trabalho ou do sossego alheios (116.238)
  2. Atividade jurídica para policiais, militares, bombeiros e guardas municipais para fins de concursos públicos (52.144)
  3. A apreensão de arma de fogo com registro vencido (46.184)
  4. Distinções entre o crime de furto mediante fraude (art. 155, § 4º, II, do CP) e o estelionato (art. 171 do CP) (39.981)
  5. A diferença entre “ameaça” e “grave ameaça” para a caracterização dos crimes que exigem “grave ameaça” (37.566)
instagram default popup image round
Follow Me
502k 100k 3 month ago
Share